domingo, 21 de setembro de 2008

Quisera eu ser um cirandeiro da vida, onde eu cirandançasse sem arrependimentos ou frustrações. Onde o sorriso fosse único em minha face. e que eu dançasse com todos, sem distinção de nada, apenas olhos nos olhos,verdade no canto e trapos na roupa. E que o meu canto fosse único e de todos ao mesmo tempo. Mas não sou um cirandeiro da vida, ainda. Por enquanto sou um cirandeiro de min, que vive errante, querendo aprender, e ao mesmo tempo impaciente com tudo que sei que podemos alcançar nesses infantis passos de ciranda.

2 comentários:

Jeronymo Artur disse...

acho bonito pensar assim, mas acredito que isso nunca acontece.
as utopias funcionam melhor para os outros que para mim.

gosto do desespero, do medo, da tristeza e da melancolia. esses sentimentos sempre me fazem crer que o mundo pode ser um lugar melhor. como? porque, quando os sinto, sei qu amanhã tudo pode mudar. ;)

Ylter Magalhães disse...

Massa seu blogger...grande abraço e um ótimo fds... divirta-se!!!