domingo, 7 de novembro de 2010

Minha opinião sobre o teatro acreano

Alguns teatros também alienam. 

Temos uma história de teatro que muito me fascina. Ouvir as histórias de como a arte movimentava a cidade nas décadas de 70, 80 e 90 me faz pensar o nosso papel como artista nos dias de hoje. Sinto que fazemos um teatro comportado. Somos artistas que não são movidos pela inquietação. Isso me preocupa. Por que a inquietação sempre andou ao lado das manifestações artísticas. Não precisamos ir muito longe para perceber isso. As montagens das décadas citadas acima aqui em Rio Branco confirmam essa afirmação. Pelo menos o que se fala delas. 

Vejo nos espetáculos - dos grupos contados a dedo que realmente produzem algo - pouco ou quase nenhuma inquietação. Não consigo enxergar uma pesquisa estética ou de linguagem. Fazemos um teatro comum que não atrai o público. Uma arte inofensiva feita para as camadas médias da população. 

Assisto peças que não dialogam com a própria população acreana. Ou dialogam com uma muito pequena parte. Como diz Federico Garcia Lorca, em um de seus textos sobre teatro, quando o público não se vê retratado fica frustrado. “O público virgem, o público ingênuo, que é o povo, não compreende por que se fala no teatro de problemas desprezados por eles nos pátios de sua vizinhaça.” 

Quando se fala assim, as pessoas criam uma ideia equivocada de que estamos falando : - Tem-se que falar dos seringueiros, da borracha, do Chico Mendes e da mata. Criou-se uma conceito errado de como nós – acreanos - mesmos nos vemos. E, nós artistas parecemos não saber trabalhar com isso. Nem sei se tentamos. Como nós fazedores de teatro refletimos nós mesmo como cidadãos? Será que ao assistirem nossos espetáculos o público se vê? Será que o tocamos? Ou somos apenas responsáveis por algumas risadas? De que maneira trabalhamos as nossas condições estéticas a fim de melhorar nossa comunicação com a platéia? Quais critérios usamos para escolher os temas, o títulos, o próprio enredo do trabalho? Pensamos em quem? Em nós? Queremos o quê com mais uma montagem? De que maneiras contribuímos para a formação de um patrimônio cultural acreano se falamos de coisas tão universais sem olharmos para o lado? Ou, o que é pior, para quem nos assiste? 

O nosso teatro parece não pensar nas pessoas. É um teatro que não busca a humanização. Que se fale da florestania, mas se fale de forma humanizada. Qualquer tema precisa da humanização. Afinal esse é o trabalho do ator, do diretor, não é? Humanizar desde o mais perverso vilão ao mais bobo e feliz palhaço. De que forma trabalhamos a humanização dos nossos personagens. Vejo espetáculos cujos as histórias acontecem com pessoas que mais parecem robôs. Há muito não me vejo, nem me identifico com as peças daqui, feitas por nós. 

Fazemos um teatro quadrado, que tem medo de sair dos padrões. De ganhar as ruas. O que fazemos mais se aproxima do comercial do que de qualquer outra coisa. Não quero entrar no mérito das dificuldades financeiras. O nosso problema não é esse. Esse é um problema que vem depois de termos artistas de verdade. Artistas preocupados, com inquietude suficiente para mudar suas linguagens. Pensar em um público critico que não quer apenas rir mas se vê refletido. 

Tenho alguns medos. Um é a preocupação que se tem em fazer algo comercial. Sobre isso muito me entristece as amarras que são impostas por esse nome: comercial. Não se vive de teatro, vive-se para o teatro. De mercado nossas salas de espetáculos estão cheias. Atores globais descobriram o custo amazônico. Temos que ser a saída para isso. Outra coisa é o fato de pensar que casa cheia é sinal de bom trabalho. Eu sou jovem, talvez não saiba o que é um bom trabalho teatral ainda. Mas tive experiências na minha vida como platéia que guardo como pontos importantes de aprendizado e autoconhecimento. Infelizmente, apenas uma vez, tive essa experiência com uma peça local. Há algum tempo. 

E isso, eu tenho certeza que é como deve se sentir uma plateia de teatro. Tenho minhas dúvidas se nós como atores, diretores e produtores - ou tudo ao mesmo tempo - consigamos fazer isso com uma sociedade cada vez menos crítica e mais fácil de se contentar que é essa em que vivemos. Se vamos ter inquietação para ir contra a corrente do “quadrado” e levarmos a plateia para o nirvana do autoconhecimento eu não sei. Mas poderíamos pelo menos tentar. 

5 comentários:

Lia Araújo disse...

Sabe André, eu vi seu texto e eu sou só expectadora, mas, concordo com muita coisa do que vc escreveu.

Eu te vejo como um ator jovem acreano que tem futuro... eu tive o prazer de participar em 2008 de uma oficina do oferecida pelo SESC, dada por atores do Grupo Vento Forte, da qual vc e a Fabricia, tb participaram. Não sei se vc lembra... naqueles dois dias ficou evidente quão talentoso vc é. Não foi meu espanto que te fui assistir " Quem é o rei?" e lá estava vc encarnado num vendedor de melão.

E sinceramente é bom pensar que o teatro acreano possa realmente florescer...e com certeza, seu nome estará nesse futuro.

beijos

Clara disse...

Um café sim, meu Romeu!!
Quando puderes. Estarei a disposiçao!!!
Quanto ao shorts, acho q cortar é a melhor a opçao nesse caso. Qualquer coisa, arranjo algm p fazer a barra.

Me avisa sobre o teu tempo vago, que marcamps.
Um beijo.

evanirgarcia disse...

Olá!!estou aqui em seu blog ..
Vim do blog do amado Everson ..
E na verdade nunca vi tanta beleza
suas postagens são bélissimas .
O Everson é meu anjo menino
recomendou seus amigos para mim.
Estou seguindo seu blog e convido a seguir o meu.
Hoje é um blog Natalino mais em janeiro volta ao normal.
www.fonte-amor.zip.net
Um beijo carinhoso conto c/ sua amizade
pois a minha vc ja tem,Evanir
www.fonte-amor.zip.net

Janaina Cruz disse...

Salve André, encontrei por acaso seu blog e fiquei encantada com a beleza e cultura postas aqui.
Amo teatro, não importa o formato que tenha a magia que mora no ato, na ação na intenção já me encantam de cara.
Desejo que tenhas muitos encantos ao abraçar esse mundo.

Janaina Cruz disse...

E no meu santinho tu deixastes um rastro colorido e luminoso de cultura...
Viva as artes, viva o teatro!!